terça-feira, 5 de julho de 2011

Pra que tanto preconceito?

Gente, o assunto do momento é a tal união civil entre pessoas do mesmo sexo. Como vcs sabem, estou cursando a faculdade de Direito e, por lá, esse foi o assunto do momento. Acho isso muito bom pq discutir e pensar sobre esses assuntos é sempre algo muito saudável.
Engraçado, na minha opinião, ver que esse assunto é tão polêmico. Por que as pessoas se preocupam tanto com a vida dos outros e diminuem tanto a felicidade alheia?
Da mesma forma que já ouvi a barbaridade de que melhor ter um filho bandido que um filho deficiente, ouvi frase igual com relação aos homossexuais.
Gente, eu estou longe de ser uma pessoa livre de preconceitos, mas estamos aqui nesse mundo pra tentarmos modificar esses sentimentos e sermos pessoas melhores (ou não???).
Só queria deixar minha opinião aqui, muito mais pelos meus filhos do que pra mim mesma. Quero que eles cresçam sabendo respeitar o próximo e desejando a felicidade de cada um, independente de crença, raça, gênero, deficiência, sexualidade...
Pois bem, após colocar minha opinião muitas vezes ouço a frase: Vc diz isso pq não tem um filho homossexual.
Isso não me preocupa nem um pouco, juro! Quero que meus filhos sejam felizes, pessoas de bem e vou sempre batalhar por isso. Do mesmo jeito que quero que o Pablo seja visto com um ser humano digno, quero o mesmo para os outros 3. E, sejam eles um dia homossexuais ou não, ficarei feliz em saber que estão felizes e seguros de si.
Não façam mal ao próximo e sejamos felizes. Deixem que todos sejam felizes!
:)

12 comentários:

Bruna Helen disse...

Falou e disse.....Super Assino embaixo...

beijos nas crianças

http://descobrindovitoria.blogspot.com

Regiane disse...

Adorei, Assino embaixo.

Beijocas para toda a tropinha....

eliane maia pereira disse...

Penso que as pessoas que defendem a união estável, deveriam também pensar que são preconceituosas ao quer que se torne crime uma pessoa pensar diferente deles, isso tbem é preconceito, ou não? A mão que bate em Chico deve ser a mesma que bate em Francisco.
Mas penso como vc, amo minhas filhas de forma incondicional, independente de orientação sexual ou religiosa.

Cátia Fernandes disse...

500% de acordo!!!

Beijos pra todos.

Cátia.

Evelyn_mãe_da Sofia disse...

Concordo plenamente!!

Francis Geimes Matielo Balzereit disse...

Concordo em número, gênero e grau.
A palavra já diz, "pré" conceito, ou seja, não podemos julgar sem antes conhecer. Mesmo assim, como a Eliane disse, o respeito à opção sexual, religiosa, política, esportiva, deve sempre ser recíproca, mesmo que não concordemos com ela.

Marcia disse...

Minha amiga, ótimo post. Infelizmente, as pessoas se sentem incomodadas com tudo o que é diferente do "comum". É realmente um absurdo ver como as pessoas se incomodam com a forma alheia de amar. E se incomodam também com um deficiente físico, com uma pessoa gorda e até mesmo com uma mãe que amamenta seu filho até os 2 anos. Tudo que foge ao senso comum incomoda. Pena viver em um mundo assim, mas esse é o planeta Terra. Beijinhos

sandra disse...

Concordo plenamente!
Respeito e felicidade Sempre!!!
Beijocas, Sandra
Pablo, força e saúde.
Beijos na turma toda.

tresmoleques disse...

Gente, concordo com tudo o que foi dito e quero acrescentar que, pelo visto, nossos filhos, têm tudo para viver num mundo melhor e mais tolerante, afinal é o que nós temos passado a eles: RESPEITO AS DIFERENÇAS!
Bjks, Lu + Três Moleques

Cristina Camargo disse...

Verdade, o mundo futuro tem tudo para ser menos intolerante, estamos construindo isso para nossos filhos. Uma missão e tanto, dá para ficar orgulhosa.

Paty - A grande espera! disse...

Concordo plenamente!!!
Se todos pensarmos assim realmente chegaremos a tao sonhada paz e amor ao proximo....

Bjs

Ju Cardoso disse...

E eu que pensava ser totalmente resolvida nesse quesito.. Ate isso vir parar na minha casa... Acredito que Júlia tenha "transtorno de gênero" - ela se vê como um menino e tudo o mais do tipo (e não se trata de fase... Acredito q fase não dure 2 anos... O mais difícil é q ela so tem 3 anos...)
Está sendo difícil p mim criar uma menina que QUER POR QUE QUER ser tratada como um menino... De certa forma, acaba ferindo nossa feminilidade de mãe... Me sinto mal... Não peço que me julguem ou quero opiniões... Mas agradeço o espaço p colocar p fora o que sinto. Sinto sozinha e calada (ninguém me entende, ninguém me ouve e ninguém enxergo o que está explícito!!!) LUTAR SOZINHA É REALMENTE DIFÍCIL...

Quem está online

Barrigas!!!